Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.22/854
Título: Louis Macneice: poeta do devir
Autor: Almeida, Paula Ramalho
Palavras-chave: Literatura
Data: 2002
Editora: Instituto Politécnico do Porto. Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto
Relatório da Série N.º: ;2
Resumo: Dizia T. S. Eliot que não há arte mais teimosamente universal do que a poesia1. Talvez nenhum poeta seja tão teimosamente universal como Louis MacNeice (1907-1963). Nascido em Belfast e educado em Inglaterra, MacNeice pertence a uma geração de poetas, onde se incluem W. H. Auden, Stephen Spender e Cecil Day-Lewis, a quem não é indiferente o contexto sociopolítico e que, de forma mais ou menos acentuada, se empenha numa literatura de intervenção, muito em consequência do pessimismo gerado pela Segunda Guerra Mundial. Paradoxalmente, a poesia de Louis MacNeice vive da descontextualização: não se conforma com uma realidade estática ou adormecida, cristalizada em parcelas estanques. Embora alguns aspectos mais significativos da sua obra se relacionem directamente com uma identidade cultural e linguística ambivalente, o que mais parece salientar-se é a importância que MacNeice atribui ao movimento do mundo e à forma como esse movimento actua sobre o ser.
Descrição: Polissema: Revista de Letras do ISCAP 2002/N.º 2 Linguagens
A revista está em acesso aberto no link do editor
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.22/854
ISSN: 1645-1937
Versão do Editor: http://www.si.iscap.ipp.pt/~www_poli/PoliDIGITAL/Polissema2.pdf
Aparece nas colecções:ISCAP - LC - Artigos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
A_PaulaAlmeida_2002.pdf4,85 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.