Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.22/711
Título: Porto: cidade amiga das pessoas idosas. Um estudo centrado na perspectiva de idosos das freguesias de S. Nicolau e Sé
Autor: Coelho, Tiago
Orientador: Garcia, Rui Proença
Palavras-chave: Cidade amiga das pessoas idosas
Envelhecimento activo
Porto
Age-friendly cities
Active ageing
Oporto
Data de Defesa: 2010
Editora: Instituto Politécnico do Porto. Escola Superior de Tecnologia da Saúde do Porto
Resumo: Uma cidade amiga das pessoas idosas é um meio urbano onde são proporcionadas condições de saúde, segurança e participação que permitem às pessoas mais velhas envelhecerem activamente e viverem com dignidade. A nossa investigação, de natureza qualitativa e exploratória, teve como objectivo verificar se a cidade do Porto possui características de uma cidade amiga das pessoas idosas, na perspectiva de idosos residentes neste meio urbano. Para tal, realizamos dois focus groups com idosos habitantes nas Freguesias de S. Nicolau e Sé, seleccionados a partir de uma amostragem por conveniência, tendo sido utilizado um guião de entrevista constituído pelas categorias: espaços exteriores e edifícios; transportes; habitação; respeito e inclusão social; participação social; participação cívica e emprego; comunicação e informação; apoio comunitário e serviços de saúde. No nosso estudo, foi possível constatar que os participantes, apesar de se manifestarem genericamente satisfeitos com a sua vida na cidade do Porto e identificarem algumas características desse meio urbano que podem ser consideradas como amigas das pessoas idosas, descreveram um vasto conjunto de condições da cidade que limitam o seu quotidiano. Neste sentido, relativamente aos espaços exteriores, para além de os caracterizarem como inseguros quanto ao crime, reconheceram essencialmente limitações à sua mobilidade e segurança física, tais como os declives acentuados e as irregularidades do terreno de certos passeios, o curto período de tempo proporcionado para que sejam atravessadas algumas passadeiras e o aglomerar de lixo e estacionamento de veículos em locais destinados a peões. Adicionalmente, os participantes manifestaram-se insatisfeitos com o número de autocarros e paragens disponíveis na sua freguesia e identificaram nas habitações existentes na cidade do Porto um elevado nível de degradação estrutural e uma falta generalizada de condições de conforto, acessibilidade e protecção face a condições atmosféricas. Em oposição, foi possível verificar que a maior parte dos participantes se sente respeitado e incluído nas actividades e eventos realizados na sua comunidade. Da mesma forma, mostraram-se satisfeitos com a variedade de actividades em que têm oportunidade de participar, incluindo actividades de voluntariado e trabalho não remunerado. Aspectos característicos de uma cidade amiga do idoso, tais como a aglomeração geográfica dos edifícios públicos e lojas e a existência de serviços de apoio comunitário foram também identificados.
An age-friendly city is an urban environment where the conditions for health, safety and participation are provided, enabling older people to age actively and to live with dignity. Our research, qualitative and exploratory by nature, aimed to verify if the city of Oporto has characteristics of an age-friendly city, from the perspective of elderly habitants of this urban area. To this end, we conducted two focus groups with elderly people from S. Nicolau and from Sé, selected trough a convenience sampling. We used an interview guide structured by the categories: outdoor spaces and buildings, transportation, housing, respect and social inclusion, social participation, civic participation and employment, communication and information; community support and health services. In our study, we determined that, although the participants manifest themselves as generally satisfied with their life in the city of Oporto and identify some characteristics in this urban environment that can be considered as friendly to older people, they described a wide range of aspects of the city that limit their daily lives. In this sense, in regard to outdoor spaces, the participants characterized them as unsafe from crime and acknowledged limitations to their mobility and physical security, such as the steep slopes and uneven ground of certain sidewalks, the short time provided to cross some crosswalks and the clustering of garbage and parking of vehicles in places destined for pedestrians. Additionally, participants expressed their dissatisfaction with the number of buses and bus stops available in their proximity and identified, in the existing houses in the city of Porto, a high level of structural degradation and a general lack of comfort conditions, accessibility and protection from the weather. In contrast, we observed that most participants feel respected and included in activities and events in their community. Likewise, they were satisfied with the variety of activities that they have the opportunity to participate, including voluntary and unpaid work. Characteristic features of an age-friendly city, such as geographic agglomeration of public buildings and shops and the existence of community support services were also identified.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.22/711
Aparece nas colecções:ESTSP - DM - Terapia Ocupacional

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
DM_TiagoCoelho_2010.pdf792,98 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.