Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.22/3060
Título: O terrível nascimento da beleza: a criação literária em diversos autores
Autor: Mancelos, João de
Palavras-chave: Criação literária
Intercâmbio hemisférico
Epifania
Inspiração
Literary creation
Interhemispheric exchange
Inspiration
Epiphany
Data: 2010
Editora: Instituto Politécnico do Porto. Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto
Resumo: De onde brota a inspiração para baladas de amor e canções de guerra, lendas e narrativas, tragédias e comédias? Ao longo de séculos, escritores e leitores interrogaram-se acerca do nascimento da beleza. Neste artigo, abordo essa questão intrigante, em quatro etapas: a) Examino algumas personificações criadas por Hesíodo, Homero, Luís de Camões e Federico García Lorca para descreverem a inspiração; b) Exploro as estratégias utilizadas por Samuel Coleridge, Salvador Dalí e William Burroughs, para penetrar no reino da fantasia, o inconsciente; c) Apresento as explicações científicas propostas por Sigmund Freud, Carl Jung e Robert Sperry para o impulso criativo; d) Para concluir, menciono as razões que levaram Fernando Pessoa, Eugénio de Andrade e Emily Dickinson a desconfiarem da musa inspiradora, preferindo o esforço que corrige a emoção e gera a obra de arte. Seguindo uma perspectiva comparada, o meu objectivo é mostrar diferentes formas de perceber a criatividade literária. Para tanto, recorro ao trabalho dos escritores e cientistas atrás mencionados e, naturalmente, à minha opinião.
Where does the inspiration to love ballads and songs of war, legends and narratives, tragedies and comedies, come from? For several centuries, writers and readers have questioned themselves about the birth of beauty. In this article, I address this intriguing question in four steps: a) I examine several personifications created by Hesiod, Homer, Luís de Camões, and Federico García Lorca to personify inspiration; b) I explore the strategies used by Samuel Coleridge, Salvador Dalí and William Burroughs to penetrate in the realm of fantasy, the unconscious; c) I present the scientific explanations suggested by Sigmund Freud, Carl Jung and Robert Sperry to the creative impulse; d) To conclude, I mention the reasons that led Fernando Pessoa, Eugénio de Andrade and Emily Dickinson to mistrust the inspiring muse, favoring the effort that corrects the emotion and generates the work of art. Following a comparative perspective, my objective is to show different ways of perceiving literary creativity. In order to do so, I resort to the work of the above-mentioned writers and scientists and, naturally, to my personal opinion.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.22/3060
ISSN: 1645-1937
Versão do Editor: http://www.iscap.ipp.pt/~www_poli/
Aparece nas colecções:ISCAP - LC - Artigos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
A_JoãoMancelos_2010.pdf291,08 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.