Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.22/2922
Título: Traduzir palavras, aproximar culturas: o ensino da Interpretação de Acompanhamento no ISCAP
Autor: Couto, Alberto
Chorão, Graça Bigotte
Pascoal, Sara Cerqueira
Palavras-chave: Interpretação de acompanhamento
Mediação intercultural
Ensino de interpretação
Liaison interpreting
intercultural mediation
Interpreter training
Data: 2010
Editora: Instituto Politécnico do Porto. Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto
Resumo: Numa sociedade onde as correntes migrações desenham um novo contexto de sociabilização e onde a globalização conduz ao aumento incomensurável das reuniões interculturais, é fulcral recentrar a importância do ensino da interpretação dita de comunidade. A inauguração do Mestrado em Tradução e Interpretação Especializadas, no ano lectivo de 2007/2008, no Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto, reformulado a partir da Licenciatura Bi-Etápica homónima, veio apresentar um desenho dos curricula em Interpretação cujo entendimento é mais pragmático. Assim sendo, à tradicional divisão entre Interpretação Simultânea e Interpretação Consecutiva sucedeu a introdução das unidades curriculares de Interpretação de Conferência, Interpretação Remota e de Teleconferência e de Interpretação de Acompanhamento. Este estudo pretende apresentar e discutir as diferentes abordagens pedagógicas ensaiadas no decorrer da implementação da unidade curricular de Interpretação de Acompanhamento, sustentadas por uma reflexão de cariz científico-pedagógico, filtrada pelas tendências de investigação mais recentes nesta área. Adoptámos a designação de Interpretação de Acompanhamento para descrever uma situação comunicativa que decorre em contextos variados e heterogéneos, em detrimento de outras designações de abrangência mais restrita, como Interpretação de Liaison – que remete para um acompanhamento em contexto de negócios ou de visita cultural ou turística – e Interpretação de Comunidade – reportando-se à mediação linguística de alguém que não fala a linguagem da maioria, normalmente no âmbito judicial, social, ou de saúde. Concentraremos, por conseguinte, a nossa atenção nas questões que se seguem: Que estratégias pedagógicas melhor se adaptam ao ensino desta disciplina? Como reproduzir a heterogeneidade dos contextos comunicativos que a Interpretação de Acompanhamento envolve numa sala de aula? Que ponderação deve assumir o desempenho linguístico em comparação com as competências de mediação intercultural? Como integrar, na prática, conceitos e teorias no domínio da Interpretação de Acompanhamento?
In a society where the migration paths design a new socialization context and where globalization leads to an unfathomable rise of the intercultural meetings, it‘s important to refocus the importance of community interpreting training. The release of the Master‘s in Specialized Translation and Interpreting in 2007/2008 at the Institute of Accounting and Administration of Oporto, based on the homonymous five-year degree, presented a curricula design in Interpreting with a far more pragmatic understanding. Thus, to the traditional division between Simultaneous and Consecutive Interpreting succeeded the introduction of the disciplines of Conference Interpreting, Remote and Teleconference Interpreting and Liaison Interpreting. The purpose of this essay is to present and discuss different pedagogical approaches tried out during the implementation of the discipline of Liaison Interpreting, based on a scientific/pedagogic reflection, filtered by the most recent tendencies of investigation in this area. The designation ―Interpretação de Acompanhamento‖ (Liaison Interpreting) was adopted by us to describe a communicative situation which takes place in heterogeneous and diverse contexts, in detriment of other designations of a more restrict sense like Escort / Ad Hoc Interpreting – which tend to lead us to a business or cultural or even touristic area of influence – and Community Interpreting - reporting to the linguistic mediation of someone that do not speak the language of the majority, usually in a legal, social or health scope. Therefore, we will be focusing our attention in the following questions: Which pedagogical strategies are best adapted to the teaching of this discipline? How to reproduce the heterogeneity of the communicative contexts that Liaison Interpreting involves inside a class room? In comparison with the intercultural mediation skills, what importance should the linguistic performance assume? How to teach concepts and theories to the Liaison Interpreting area of expertise?
URI: http://hdl.handle.net/10400.22/2922
ISSN: 1645-1937
Versão do Editor: http://www.iscap.ipp.pt/~www_poli/
Aparece nas colecções:ISCAP - LC - Artigos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
A_Polissema_2010.pdf2,05 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.