Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.22/1116
Título: Identificação de compostos que modulam a patogénese da doença de Machado-Joseph em C.elegans: autofagia como alvo terapêutico: identification of small compounds that modulate pathogenesis of Machado-Joseph disease in a C.elegans model: targeting autophagy
Autor: Carvalho, Sara
Orientador: Prudêncio, Cristina
Castro, Andreia
Maciel, Patrícia
Palavras-chave: Ataxia
Ataxia espinocerebelosa
Doença de Machado-Joseph
Ataxina-3
ATXN3
Spinocerebellar ataxia
Machado-Joseph disease
Ataxin-3
ATXN3
Data de Defesa: 2012
Editora: Instituto Politécnico do Porto. Escola Superior de Tecnologia da Saúde do Porto
Resumo: A doença de Machado-Joseph (DMJ) ou ataxia espinocerebelosa do tipo 3 (SCA3), conhecida por ser a mais comum das ataxias hereditárias dominantes em todo o mundo, é uma doença neurodegenerativa autossómica dominante que leva a uma grande incapacidade motora, embora sem alterar o intelecto, culminando com a morte do doente. Atualmente não existe nenhum tratamento eficaz para esta doença. A DMJ é resultado de uma alteração genética causada pela expansão de uma sequência poliglutamínica (poliQ), na região C-terminal do gene que codifica a proteína ataxina-3 (ATXN3). Os mecanismos celulares das doenças de poliglutaminas que provocam toxicidade, bem como a função da ATXN3, não são ainda totalmente conhecidos. Neste trabalho, usamos, pela sua simplicidade e potencial genético, um pequeno animal invertebrado, o nemátode C. elegans, com o objetivo de identificar fármacos eficazes para o combate contra a patogénese da DMJ, analisando simultaneamente o seu efeito na agregação da ATXN3 mutante nas células neuronais in vivo e o seu impacto no comportamento motor dos animais. Este pequeno invertebrado proporciona grandes vantagens no estudo dos efeitos tóxicos de proteínas poliQ nos neurónios, uma vez que a transparência das suas 959 células (das quais 302 são neurónios) facilita a deteção de proteínas fluorescentes in vivo. Para além disso, esta espécie tem um ciclo de vida curto, é económica e de fácil manutenção. Neste trabalho testámos no nosso modelo transgénico da DMJ com 130Qs em C.elegans dois compostos potencialmente moduladores da agregação da ATXN3 mutante e da resultante disfunção neurológica, atuando pela via da autofagia. De modo a validar a possível importância terapêutica da ativação da autofagia os compostos candidatos escolhidos foram o Litío e o análogo da Rapamicina CCI-779, testados independentemente e em combinação. A neuroproteção conferida pelo Litío e pelo CCI-779 independentemente sugere que o uso destes fármacos possa ser considerado uma boa estratégia como terapia para a DMJ, a testar em organismos evolutivamente mais próximos do humano. A manipulação da autofagia, segundo vários autores, parece ser benéfica e pode ser a chave para o desenvolvimento de novos tratamentos para várias doenças relacionadas com a agregação proteica e o envelhecimento.
Machado-Joseph disease (MJD), or spinocerebellar ataxia type 3 (SCA3), known to be the most dominan common of the hereditary ataxias worldwide, is an autosomal dominant neurodegenerative disease that leads to a marked motor disability, although never changing the intellect, culminating in the death of the patient. Currently there is no effective treatment for this disease. MJD is a result of a genetic change caused by the expansion of polyglutamine (polyQ) sequence in the C-terminal region of the gene that encodes the protein ataxin-3 (ATXN3). The cellular mechanisms of polyglutamine disease that cause toxicity and also the function of ATXN3 are not yet fully understood. In this paper, we use, for its simplicity and genetic potential, a small invertebrate animal, the nematode C. elegans, with the goal of identifying effective drugs to combat the pathogenesis of MJD, simultaneously analyzing their effect on the aggregation of mutant ATXN3 in neuronal cells in vivo and their impact on, the locomotion behavior of these animals. This small invertebrate provides great advantages in studying the toxicity of polyQ proteins in neurons, because of its 959 transparent cells (of which 302 are neurons) which make the proccess of detection of fluorescent proteins in vivo easy. Furthermore, this species has a short life cycle, it is economic and easy to maintain. In this work we have tested in our transgenic model of MJD 130Qs in C.elegans two compounds with the potential to modulate the aggregation of mutant ATXN3 and the results neurological dysfunction, through the autophagy pathway. In order to validate the possible therapeutic importance of activation of autophagy the candidate compounds chosen were lithium and the analog of Rapamycin CCI-779 tested independently and also in combination. The neuroprotection conferred by lithium and CCI-779 independently suggests that the use of these drugs may be considered as a good strategy for therapy in MJD and worldwide to test in organisms evolutionarily closer to humans. Manipulation of autophagy, according to several authors, seems to be benefic and may be key to the development of new treatments for various protein aggregation and aging-related diseases.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.22/1116
Aparece nas colecções:ESTSP - DM - Tecnologia Bioquímica em Saúde

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
DM_SaraCarvalho_2012.pdf1 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.