Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.22/10945
Título: A retradução como paradigma de renovação literária. As Viagens de Gulliver de J. Swift durante e pós-Estado Novo
Autor: Sá, Bruno Miguel Oliveira
Orientador: Veloso, Manuela
Palavras-chave: Retradução
Contexto
Sensibilidade literária
Censura
Retranslation
Literary sensibility
Context
Data de Defesa: 8-Nov-2017
Resumo: Apesar de não se tratar de um fenómeno “novo”, a Retradução é uma área que ainda não foi completamente estudada. Mas que actualmente vai ganhando cada vez mais interesse nos círculos literários, principalmente na tradução de antigos textos literários. Tendo em conta que todas as traduções são objectos históricos, que não podem ser separadas do contexto cultural, social, ideológico e temporal da sociedade que as produz, não podemos esquecer que o contexto que as influenciou está em constante desenvolvimento e mudança, afectando das mais variadas maneiras, a forma como os leitores se relacionam com elas e as interpretam. A razão mais comum pela qual as traduções são retraduzidas, está relacionada com a evolução e as mudanças dentro de uma determinada língua. Desta forma, a Retradução é vista como uma forma de actualização de “antigas” traduções. E existem vários debates em torno da Retradução de clássicos literários com o objectivo de os actualizar para o vernáculo actual. Na verdade, existem outros factores, para além das mudanças da língua, que provocam a necessidade de se retraduzir, como: mudança na sensibilidade literária dentro de uma determinada sociedade – a forma como ela se relaciona e interpreta produções literárias; o surgimento de novas práticas a formas de traduzir – com os avanços nos estudos de tradução, novas ideias e conceitos do que é uma tradução “correcta” surgem; mudanças ideológicas e de contexto sociocultural – todas as traduções são influenciadas pelo seu contexto envolvente; e politicas editoriais – interesses editoriais no lançamento de “novas” traduções.
In spite of not being a "new" phenomenon, Retranslation is an area that has not yet been fully studied. But nowadays is gaining more and more interest in literary circles, especially in the translation of old literary texts. We have to take into account that all translations are historical objects, which cannot be separated from the cultural, social, ideological and temporal context of the society that produces them. We must not forget that the context that influenced them is in constant development and change, affecting in a variety of ways, the way readers relate to and interpret them. The most common reason why translations are retranslated is related to the evolution and changes within a given language. In this way, Retranslation is seen as a way of updating "old" translations. And there are several debates surrounding the Retranslation of literary classics with the aim of updating them to the current vernacular. However, there are other factors besides language changes that provoke the need to retranslate, such as: changes in the literary sensibility within a given society - the way it relates to and interprets literary productions; the emergence of new practices and ways of translating - with advances in translation studies, new ideas and concepts of what is a "correct" translation arise; ideological changes and sociocultural context - all translations are influenced by their surrounding context; as well as by editorial policies - editorial interests in the release of "new" translations.
Descrição: Esta versão contém as críticas e sugestões dos elementos do júri
URI: http://hdl.handle.net/10400.22/10945
Designação: Tradução e Interpretação Especializadas
Aparece nas colecções:ISCAP - DM - Tradução e Interpretação Especializadas

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
BrunoSa_MTIE_2017.pdf1,34 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.